Terapia familiar: como pode lhe ajudar?

Home / Terapia familiar: como pode lhe ajudar?

Terapia familiar: como pode lhe ajudar?


 A terapia familiar pode ser uma excelente alternativa para famílias que estão passando por momentos de conflitos e desarmonia. Nesse contexto, a família pode ser vista tanto em sua estrutura nuclear — pai, mãe e filhos — quanto em sua estrutura estendida, incluindo assim avós, primos, genros, noras, etc.

Mas, afinal, como a terapia familiar funciona?

O que é a terapia familiar?

A terapia familiar é uma terapia realizada em grupo de modo a construir e desenvolver o diálogo entre os membros familiares e assim auxiliar na resolução de problemas e na conquista de relações respeitosas, harmoniosas e saudáveis.

Quais os problemas que podem ser discutidos na terapia familiar?

Conflitos de geração, uso de drogas, alcoolismo, discordâncias em relação à criação dos filhos, quadros de depressão, bulimia, anorexia e diversos outros podem levar a família a procurar a ajuda do terapeuta.

De qualquer forma, esses problemas são vistos apenas como reflexos ou consequências de relações familiares desarmoniosas, sendo essas relações o principal foco da terapia.

Quais os objetivos da terapia familiar?

Entre os principais objetivos da terapia familiar estão:

  • promover o autoconhecimento em nível individual e familiar;
  • compreender a importância do diálogo e do respeito ao outro;
  • reconhecer os padrões que geram os comportamentos;
  • melhorar a comunicação e as relações entre os membros da família;
  • compreender o papel de cada indivíduo no bom funcionamento da dinâmica familiar;
  • aumentar a responsabilidade pessoal;
  • favorecer mudanças construtivas de forma a harmonizar o ambiente familiar.

Quais os tipos de terapia familiar?

Como todo tratamento terapêutico, a terapia familiar também possui diversas escolas e técnicas que podem direcionar a ação do terapeuta. A mais comum é a escola sistêmica, seguida pelas escolas transgeracional, estrutural e estratégica.

A escola sistêmica vê as relações familiares como um sistema de interações no qual a família é tida como mais do que a soma de suas partes e os problemas são consequências de falhas nessas interações e não erros individuais.

A escola transgeracional busca no passado os padrões repetitivos e disfuncionais que provocam as relações conflituosas no presente. Assim, há um foco grande na estrutura de toda a família e na compreensão de como cada relação se dá nesse contexto.

A escola estrutural busca alterar as posições de cada elemento da família de modo a promover reflexões e mudanças na experiência diária. Já a escola estratégica tem uma abordagem mais prática e mais limitada a um problema específico na dinâmica familiar, buscando identificar os padrões de interação que provocam esse conflito.

 

Como é a sessão de terapia familiar?

As sessões costumam durar em média 45 a 60 minutos e ocorrem em periodicidade recomendada pelo terapeuta e da disponibilidade da família. Todos os membros convidados para a sessão se dispõem em cadeiras, organizadas na forma de um círculo, em um ambiente confortável e iluminado. A decoração do ambiente tende a ser lúdica e conter brinquedos para que as crianças se sintam mais confortáveis.

Ao final da sessão é comum que a família receba tarefas a serem realizadas em casa até a próxima consulta. No início da sessão seguinte, cada membro é convidado a resumir os avanços da terapia até o momento e quais as mudanças já obtidas.

Há alternativas para a terapia familiar?

Caso a família ou algum membro específico não tenha interesse em iniciar completamente o processo de terapia, pode-se buscar soluções mais práticas e simples e que muitas vezes são suficientes para resolver o problema.

Uma dessas possibilidades é buscar orientação psicológica, que pode ser feita presencialmente ou online, através de profissionais de qualidade, em sessões mais objetivas, que respondem a dúvidas e aconselham a família sobre sua necessidade imediata.

Entendeu melhor como a terapia familiar funciona? Qualquer dúvida é só nos deixar um comentário!

 


Fonte: Psicologia Viva



Comentários

Copiar